Estreia de A Pedra e o Farol

Estreia de A Pedra e o Farol


Depois de três anos em produção, documentário A Pedra e o Farol, com direção e roteiro de Luciano Burin, tem estréia marcada para esta quinta feira no histórico Cine Teatro Mussi, em Laguna (SC), a partir da 20 horas.



Fotos: Divulgação

A Pedra e o Farol é um documentário da Scult Filmes que mostra a íntima relação entre o Farol de Santa Marta e a Pedra do Campo Bom, mais conhecida como Laje da Jagua, estabelecendo o seu decisivo papel histórico e cultural no desenvolvimento da região costeira de Laguna e Jaguaruna, no sul de Santa Catarina, que reúnem paisagens de beleza singular no litoral brasileiro.


Sobre a relação entre a Pedra do Campo Bom e o Farol de Santa Marta, Luciano conta como surgiu a idéia de fazer o filme: "Passo os meus verões na praia de Jaguaruna, no sul de Santa Catarina, desde que nasci então a distante espuma branca da onda da Pedra do Campo Bom (hoje conhecida como Laje da Jagua) sempre esteve presente do meu imaginário de surfista".


Há alguns anos, Luciano tomou conhecimento de que o Farol de Santa Marta tinha um mecanismo de emissão de um feixe de luz vermelha para orientar os navegadores a desviarem da rota de colisão com a laje, que fica a cerca de 20 quilômetros de distância do farol e a 5 quilômetros em alto mar da praia de Jaguaruna. Apesar disso, "as perigosas e desprotegidas águas da região ao sul do farol, continuaram por muitas décadas a vitimar diversas embarcações que naufragaram ou encalharam nesta faixa de litoral" comenta Burin.


“O ponto de ligação entre os vários temas e personagens do filme é a percepção de que as coisas só passam a ter significado quando damos algum valor a elas, seja registrando momentos em fotografias, valorizando uma construção antiga ou lutando pela preservação de um ambiente natural”, observa Luciano.


A “Pedra e o Farol” foi realizado com o apoio da empresa GAM através da Lei Federal de Incentivo a Cultura e também tem programadas exibições confirmadas em Florianópolis nos dias 19 e 21 de agosto, no cinema do CIC, além de exibições para escolas.


Confira abaixo entrevista de Luciano Burin ao Blog Surfemais.


Como surgiu a ideia em fazer o filme?


Percebi que muito pouca gente conhecia esta história e impulsionado pela existência de um rico acervo de fotografias destes naufrágios capturadas entre os anos 40 e 70 pelo único fotografo da região, o Sr. Gentil Reynaldo, decidi resgatar um pouco da história da ocupação desta faixa de litoral entre o Farol e a Pedra do Campo Bom, onde o surfe acaba tendo um papel decisivo no desenvolvimento social e turístico das praias do Cabo de Santa Marta e na transformação da Laje da Jagua numa referência no universo do surfe de ondas grandes na última década.


Fale um pouco da produção e do empenho em montar o roteiro para o filme?


O roteiro deste filme partiu de uma ideia antiga que formatei para um edital de cinema ainda em 2009. Sempre quis filmar um documentário baseado nas paisagens que marcaram a minha infância nos veraneios na Paria de Jaguaruna e no Farol de Santa Marta. A ideia era fazer algo bem poético em termos de fotografia e som, sem abrir mão de discutir temas relevantes dentro das comunidades retratadas.

Só consegui começar a produzir pra valer em 2014 com um orçamento bem enxuto, então tive que acumular várias funções e fiquei dois anos filmando e editando com a ajuda de uma equipe reduzida, mas muito talentosa.

No fim das contas, como em todo bom processo de produção, o filme foi ganhando vida própria, reuniu dezenas de depoimentos e, mesmo com um orçamento muito limitado e um cronograma que se estendeu por muito mais tempo do que o desejado, acho que consegui prestar a minha contribuição no sentido de registrar a história da região e fomentar questionamentos importantes para o futuro deste pedaço de litoral.


Esta foi sua primeira produção lançada no sul do estado?


Sim, é a primeira vez que vou exibir um filme no sul do estado. Lançar um filme independente de baixo orçamento é sempre um desafio, pois se você não tem o apoio de uma distribuidora e uma verba forte de lançamento é virtualmente impossível encontrar espaço em salas comerciais de cinema, então você ficando restrito aos pequenos cineclubes ou exibições em locais alternativos.

Em Jaguaruna, por exemplo, que é uma das locações principais do filme junto com Laguna, não existe uma sala de cinema de verdade, então estou buscando algum espaço alternativo como o auditório da Camara de Vereadores da cidade.

Neste sentido, esta parceria com o SESC Laguna que administra o Cine Mussi na cidade foi valiosa, pois trata-se de um antigo cinema que foi restaurado, oferecendo um ambiente muito bonito e confortável para a exibição do filme com alta qualidade acústica.

Vamos estender esta parceria para exibições especiais para escolas e vou atrás para exibir este documentário no maior número de locais possíveis na região, pois o filme certamente terá uma ressonância maior com as pessoas que vivem e conhecem as paisagens que aparecem na tela.


Além de Fábio Gouveia, quais outros personagens entram nessa história e por que?